Para além de nós mesmos: Narcisismo e Modernidade

Por Claudio Barra de Castro Vivemos em tempos narcísicos. Sobre isso não há dúvida. Nossa época se apropria da imagem para vender mercadorias, a sociedade do espetáculo, e, condicionado a esse modelo, impulsiona um modo de relacionamento social em que a própria imagem fala por si, em que o corpo vira um meio de troca Leia mais… »

A amizade é sublime

Já ouvi dizer que estar num relacionamento amoroso e fazer planos para o futuro com a pessoa amada é mais importante do que compartilhar momentos sem propósitos com amigos. E sobre isso, eu vim aqui para discordar. E antes mesmo que você me aponte o dedo para dizer que eu estou desrespeitando o amor, insisto Leia mais… »

O que as novas tecnologias estão fazendo com o homem na atualidade?

O telefone celular ou qualquer outro aparelhinho ligado à internet é, para alguns, um meio de comunicação e, nas horas vagas, também serve para entreter. Para outros ainda, trata-se de um apêndice do corpo. Sim, apêndice, pois deliberadamente levamos e utilizamos o celular em tudo que é lugar, levamos para o banheiro, para a mesa Leia mais… »

O dor da traição – Exclusividade e possessividade

Escutei de alguém que quem sofre por ter sido traído apenas demonstra um sentimento de possessividade, pois a pessoa que foi traída se sente ferida por achar que o outro lhe pertence, por acreditar que ele não teria o direito de viver outros amores, que ele seria sua propriedade. Escutei e refleti. E concluí que Leia mais… »

Solta-te

Quando lamentas não vives Fechas os olhos diante do frio do seco, do áspero, do escorregadio da graxa, da luz, do breu do indisposto, do inerte, do bruto do desfeito, do insano, do corte Acabas te encolhendo num mundinho de coisas eleitas o conhecido que não aceita o novo o mesmo que rejeita o outro Leia mais… »

Abrindo o “baú da vovó”: a coragem de olhar dentro de si mesmo

Há poucos dias atrás, não me sentia muito bem. Tinha um conflito com alguém de quem gosto muito e muita dificuldade de compreendê-lo. Sentia-me triste, até mesmo angustiado e também muito cansado. O conflito com essa pessoa me doía muito, doía até demais, tanto que percebi que não poderia ser algo ligado unicamente à pessoa Leia mais… »